Sexta-feira, 24.10.14

Afonso Cruz no evento "Novos escritores portugueses", em Manhattan, no Museu Metropolitan e na Universidade de Nova Iorque, em notícia

Novos escritores portugueses em destaque em Nova Iorque

Os novos escritores portugueses estão em destaque em Manhattan, na próxima semana, por iniciativa do Arte Institute, que começa por levar o trabalho de Dulce Maria Cardoso e Afonso Cruz ao Museu Metropolitan e à Universidade de Nova Iorque.

Nova Iorque

«(…)  Afonso Cruz vai debruçar-se sobre “Para onde Vão os Guarda-chuvas”, editado no ano passado, que lhe valeu o prémio da Sociedade Portuguesa de Autores na categoria de melhor livro de ficção narrativa. Cruz é ainda autor de “Jesus Cristo bebia cerveja”, “O pintor debaixo do lava-loiças”, “Os livros que devoraram o meu pai” e “A boneca de kokoschka”, entre outros títulos.

“Temos sempre interesse em mostrar o Portugal moderno e quem é a cara desse país. Na área da literatura, depois de termos realizado, em anos anteriores a ‘Semana Saramago’ e o evento ‘Pessoa em NY’, pretendemos agora dar a conhecer os novos rostos da literatura portuguesa”, explicou Ana Ventura Miranda, à agência Lusa.(…)»

Leia mais no JornalAçores.24.10.14

 Leia em Noticias ao minuto.24.10.14

publicado por Editora Objectiva às 10:51 | link do post | comentar
Quinta-feira, 23.10.14

Nomeação de Afonso Cruz para o prémio Fernando Namora, pelo romance "Para onde vão os guarda-chuvas"

«Seis escritores são finalistas do Prémio Literário Fernando Namora

Os seis finalistas do Prémio Literário Fernando Namora são os escritores Afonso Cruz, Ana Margarida Carvalho, Ana Cristina Silva, Bruno Vieira do Amaral, Luís Cardoso e Nuno Júdice, anunciou hoje o júri do galardão.

Segundo a mesma fonte, o vencedor desta 17.ª edição do Prémio Fernando Namora, no valor pecuniário de 15.000 euros, é conhecido no dia 09 de novembro.(…)»

Leia mais em 'Sapo.pt/noticias'.21.10.14

 

Saiba o que dizem as notícias...

No blogue 'Ler'.21.10.14

 Na 'RTP.noticias'.21.10.14

Afonso4-1639_copy.jpg

Para-Onde-Vão-os-Guarda-Chuvas1-224x358.jpg

 

publicado por Editora Objectiva às 10:13 | link do post | comentar
Quarta-feira, 22.10.14

Afonso Cruz e o seu romance "Para onde vão os guarda-chuvas", no jornal 'A Voz da Figueira'.

Afonso Cruz é um dos cinco finalistas do

Grande Prémio de Romance e Novela da APE

AfonsoCruz_Premioa-voz-da-figueira.15.10.14.jpg

In 'Voz da Figueira'.15.10.14

 

"Para onde vão os guarda-chuvas"

 

Para onde vão os guarda-c.jpegSobre o livro:

O pano de fundo deste romance é um Oriente efabulado, baseado no que pensamos que foi o seu passado e acreditamos ser o seu presente, com tudo o que esse Oriente tem de mágico, de diferente e de perverso. Conta a história de um homem que ambiciona ser invisível, de uma criança que gostaria de voar como um avião, de uma mulher que quer casar com um homem de olhos azuis, de um poeta profundamente mudo, de um general russo que é uma espécie de galo de luta, de uma mulher cujos cabelos fogem de uma gaiola, de um indiano apaixonado e de um rapaz que tem o universo inteiro dentro da boca.
Um magnífico romance que abre com uma história ilustrada para crianças que já não acreditam no Pai Natal e se desdobra numa sublime tapeçaria de vidas, tecida com os fios e as cores das coisas que encontramos, perdemos e esperamos reencontrar.

 

Sobre o autor:

Além de escrever, Afonso Cruz é ilustrador, realizador de filmes de animação e compõe para a banda de blues/roots The Soaked Lamb (onde canta, toca guitarra, harmónica e banjo). Nasceu em 1971, na Figueira da Foz, e haveria, anos mais tarde, de viajar por mais de sessenta países. Vive com a sua família num monte alentejano onde, além de manter uma horta e um pequeno olival, fabrica a cerveja que bebe. Em 2008, publicou o seu primeiro romance, A Carne de Deus - Aventuras de Conrado Fortes e Lola Benites e, em 2009, Enciclopédia da Estória Universal, galardoado com o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco - APE/Câmara Municipal de Famalicão. Escreveu, ainda, Os Livros Que Devoraram o Meu Pai (Prémio Literário Maria Rosa Colaço 2009), A Contradição Humana (Prémio Autores 2011 SPA/RTP; seleção White Ravens 2011; Menção Especial do Prémio Nacional de Ilustração 2011) e A Boneca de Kokoschka.
 
Excerto:
 
«– A minha mãe, Sr. Elahi, interrogava-se para onde vão os guarda-chuvas. Sempre que ela saía à rua, perdia um. E durante toda a sua vida nunca encontrou nenhum. Para onde iriam os guarda-chuvas? Eu ouvia-a interrogar-se tantas vezes, que aquele mistério, tão insondável, teria de ser explicado. Quando era jovem pensei que haveria um país, talvez um monte sagrado, para onde iam os guarda-chuvas todos. E os pares perdidos de meias e de luvas. E a nossa infância e os nossos antepassados. E também os brinquedos de lata com que brincávamos. E os nossos amigos que desapareceram debaixo das bombas. Haveriam de estar todos num país distante, cheio de objectos perdidos. Então, nessa altura da minha vida, era ainda um adolescente, decidi ser padre. Precisava de saber para onde vão os guarda-chuvas.
– E já sabe? – perguntou Fazal Elahi.
– Não faço a mais pequena ideia, mas tenho fé de encontrar um dia a minha mãe, cheia de guarda-chuvas à sua volta.»
publicado por Editora Objectiva às 10:10 | link do post | comentar
Terça-feira, 21.10.14

Afonso Cruz em Nova York, no evento 'New Portuguese Writers', no Met Museum

Afonso Cruz faz parte dos dois primeiros autores escolhidos pelo

Arte Institute  para representar os novos escritores portugueses

num evento  que se realiza no Met Museum

afonso cruz NYArte Institute.Outubro.2014

 

 

 

publicado por Editora Objectiva às 10:05 | link do post | comentar
Quinta-feira, 16.10.14

Afonso Cruz, finalista do Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB, é notícia na Imprensa.

O júri do Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB – 2013

destacou, por unanimidade, cinco finalistas.

Afonso Cruz (Para onde vão os guarda-chuvas) entre os cinco finalistas.

 

afonso cruz.y.jpg«LISBOA – Agradecendo a divulgação desta notícia, a Direcção da Associação Portuguesa de Escritores (APE) informa que o júri do Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB – 2013, constituído por José Correia Tavares, que presidiu, Annabela Rita, Cândido Oliveira Martins, José Manuel de Vasconcelos, Teresa Carvalho e Vergílio Alberto Vieira, reunindo pela segunda vez, destacou, como finalistas, por unanimidade, de entre os 107 livros publicados em 2013 e admitidos ao concurso (o 2.º valor mais alto de sempre, em 32 anos consecutivos), cinco finalistas.

Por ordem alfabética do primeiro nome dos respectivos autores, são estes os títulos dos seus romances: Para onde vão os guarda-chuvas (Afonso Cruz); Que Importa a Fúria do Mar (Ana Margarida Carvalho); Cartas de Casanova – Lisboa 1757 (António Mega Ferreira); A Implosão (Nuno Júdice) e A Desumanização (Valter Hugo Mãe).

Tudo leva a crer que a deliberação final do júri ocorra no início do próximo mês.

O Grande Prémio de Romance e Novela APE/DGLAB, nesta sua 32.ª edição (foi instituído em 1982), tem o valor pecuniário de 15.000 euros.»

In Local.pt.14.10.14

 

Afonso-Cruz.Prémio-APE.JN.15.10.14.jpg In JN.15.10.14

Afonso-Cruz.Prémio-APE.D.Beiras.15.10.14.jpg

 In Diário das Beiras.15.10.14

 

Afonso-Cruz.Prémio-APE.jornal-da-Madeira.15.10.1

 

 

 

 

 

 

 

In Jornal da Madeira.15.10.14

 

publicado por Editora Objectiva às 15:51 | link do post | comentar
Terça-feira, 14.10.14

Entrevista a Afonso Cruz no jornal 'O País', durante a sua estadia em Moçambique, para participar no 26º curso de Literaturas.

“Tenho preocupações éticas, quando escrevo”

Entrevista de José dos Remédios a Afonso Cruz

afonso09-10-14.jpg

«O escritor português Afonso Cruz esteve em Maputo recentemente para participar no 26º curso de Literaturas, organizado pelo Centro Cultural Português. Nessa ocasião, Cruz falou-nos da sua obra, dos seus prémios e das suas preferências.

 

É um artista multifacetado. Como é conciliar as artes que exerce?

Apesar de as artes serem diferentes, fui parar a uma série destas áreas quase por acaso, com a excepção, talvez, do desenho, que é uma inclinação que tenho desde criança. A minha família sempre me empurrou para as artes, de modo que sempre segui com muita naturalidade este mundo. A escrita nasce do reflexo do gosto da leitura. Comecei a escrever num blogue privado. Torno-me realizador para a área de filmes de animação porque, na altura, queria comprar uma mota. E como os meus pais não me davam dinheiro para isso, arranjei um emprego nessa área. Mas acabei por não comprar a mota e nem sequer tenho carta de mota. A certa altura, passei a viver no campo, e aí dediquei-me mais à ilustração.

 

Qual dessas artes lhe dá mais prazer?

 (…) »

Leia toda a entrevista em "O país".09.10.14

 

 

 


 

 

 

publicado por Editora Objectiva às 09:47 | link do post | comentar
Segunda-feira, 13.10.14

Entrevista com Afonso Cruz na revista 'LER'

«ENTREVISTA || Afonso Cruz:
o artista, uma espécie de burlão

Entrevista de Ana Sousa Dias e Fotografia de Pedro Loureiro

Afonso1.jpg

Diziam que era «duro de ouvido» mas comprou uma guitarra e estudou, estudou até conseguir tocar, e tornou-se músico mesmo sem saber uma nota de solfejo. Para fazer filmes de animação, estudou, estudou até ser capaz de perceber em que momento as pernas do Bip Bip começam a rodar. Agora diz que perdeu a ingenuidade na leitura, porque procura entender «como é que ele fez isto» quando lê ficção. Depois de 12 anos de vida nómada em 60 países, assentou primeiro em Lisboa, depois no Alentejo, num sossego sem trânsito e com boas escolas para os filhos.(…)»

Leia toda a entrevista em 'Ler'.08.10.14

publicado por Editora Objectiva às 12:18 | link do post | comentar

«O livro do ano», de Afonso Cruz, no 'entreMargens'

«...uma fábula maravilhosa sobre uma menina

que carrega um jardim na cabeça...»

O.Livro.do.ano-Entremargens.09.10.14.jpgc

 

 

 

 

k-o livro do ano

 

 

 

In 'entreMargens'.09.10.14

publicado por Editora Objectiva às 11:25 | link do post | comentar
Quarta-feira, 17.09.14

Afonso Cruz referido no artigo 'Notícias da Literatura Portuguesa', em 'Ler - Livros e Leitores'

 Afonso Cruz na Literatura Portuguesa

 

 

 

 

 

 

               

           

 

 

 

 

In  Notícias da Literatura Portuguesa.'Ler - Livros e Leitores' .01.09.14

 

 

Notícias da Literatura Portuguesa

 

 

 

 

 

 

In 'Ler - Livros e leitores'.01.09.14

publicado por Editora Objectiva às 09:09 | link do post | comentar
Terça-feira, 16.09.14

Afonso Cruz em Maputo, onde vai participar no Curso de Literaturas em Língua Portuguesa, é notícia na Revista Lusofonia e em Local.Pt

Curso de Literaturas em Língua Portuguesa em

Maputo tem como tema “A Viagem”

"O Centro Cultural Português/Camões, IP em Maputo e a Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane promovem a 26ª edição do Curso de Literaturas em Língua Portuguesa, de 15 a 19 de setembro de 2014, às 18:00, dedicada ao tema “A Viagem” e com a participação do escritor português Afonso Cruz(...)

 

(...) Nascido em 1971, Afonso Cruz 
estudou nas Belas Artes de Lisboa, no Instituto Superior de Artes Plásticas da Madeira e na Escola António Arroio. Publicou o seu primeiro livro em 2008, seguindo-se vários títulos premiados em Portugal e no estrangeiro.
Na sua obra destacam-se, nomeadamen-
te, Os Livros Que Devoraram o Meu Pai
(Caminho - Prémio Literário Maria Rosa Colaço 2009), A Contradição Humana (Caminho - Prémio Autores 2011 SPA/RTP; escolha White Ravens 2011; Lista de Honra do IBBY - International Board on Books for Young People, Prémio Ler/Booktailors - Melhor Ilustração Original) e A Boneca de Kokoschka (Quetzal - Prémio da União Europeia para a Literatura).
Ilustrou, desde 2007, cerca de 30 livros para crianças, trabalhando com autores como José Jorge Letria, António Torrado e Alice Vieira.
Já em 2014, Para onde Vão os Guarda-chuvas (Alfaguara, 2013) venceu o Prémio Autores para melhor livro de ficção narrativa atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).
Recentemente, Afonso Cruz foi eleito, pelo jornal Expresso, como um dos 40 talentos que vão dar que falar no futuro."
Revista Lusofonia.14.09.14
 
                                               Saiba mais em Revista Lusofonia.14.09.14
 
 
 
         Curso de Literatura​s em Língua Portuguesa em Maputo, com Afonso Cruz
 
"(...) O Curso deste ano é dedicado a um tema recorrente na Literatura: A Viagem. A Odisseia de Homero, As Viagens de Marco Polo, Os Lusíadas de Camões, A Peregrinação de Fernão Mendes Pinto, As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift são exemplos de obras literárias célebres, recheadas de curiosidade e de espanto, drama e paixão, guerras e conquistas e incríveis proezas. Com efeito, a deslocação, o contacto, os propósitos da viagem e as reações perante o desconhecido têm produzido inúmeras narrativas, umas mais ficcionais, outras mais factuais.(...)
 
(...) Paralelamente ao Curso, realiza-se uma Oficina de Ilustração orientada pelo escritor e ilustrador português Afonso Cruz e por Júlio Manjate, entre 15 e 17 de setembro, na Escola de Comunicação e Arte.(...)

 

Saiba mais em Local.Pt12.09.14

 

 

publicado por Editora Objectiva às 09:41 | link do post | comentar

pesquisar neste blog

 

Ligue-se à Objectiva

posts recentes

Acerca da Objectiva

Já ouviu falar da «Caderneta da Cromos», do Nuno Markl, d’«O Filho de Mil Homens», de Valter Hugo Mãe? Gosta de Nick Cave ou de Leonard Cohen? A vida de Steve Jobs desperta-lhe a curiosidade? Acha pertinentes os comentários de Medina Carreira? Saiba que a Objectiva leva até si os livros e os autores que mais mexem consigo e com o mundo… seja a que escala for.

50 mil já compraram a «Caderneta de cromos», Valter Hugo Mãe demorou uma hora para fazer um quilómetro a pé na festa literária de Paraty, no Brasil; Leonard Cohen é o mais badalado dos últimos prémios Príncipe das Astúrias. O mercado internacional também já reconheceu as escolhas da Objectiva. Somos uma chancela de confiança num mundo cada vez mais desconfiado.

Tudo o que não cabe na ficção cabe no pensamento e nas teses dos especialistas: da Psicologia ao Bem-Estar, do Humor à Economia. É através desses especialistas em diversas áreas que conseguimos ajudar a formar opinião e a pensar o estado das coisas. Mas o leitor é sempre quem mais nos influencia.

Saiba por que é que o livro ainda é uma arma poderosa e um vício saudável. Veja as escolhas da Objectiva.

links

tags

todas as tags