"Já tens o cromo do Markl?" - entrevista a Nuno Markl, autor das famosas Cadernetas de Cromos e, mais recentemente, de "Miopia e Astigmatismo", no Ipsilon.Público

 Nuno Markl a olhar para os melhores cromos do seu álbum.

 

Entra o pai, entra o filho, entra a rádio, entram As Manhãs da Comercial, entra

evidentemente o blazer branco do Miami Vice.

 

Entrevista de Anabela Mota Ribeiro

 

"Olhando bem para trás, não é tão estranho assim que ele tenha feito o percurso que tem vindo a fazer. A Nancy, por exemplo, já achava que ele ia fazer qualquer coisa nesta área. A do humor, a da comunicação. A Nancy era uma quase mãe no colégio. A “velha e boa” Nancy que o mimou muito e nunca de mais. Mas, durante anos, Nuno Markl deitou-se no chão do quarto a desenhar, em trip infantil, deitou-se (na cama?) do quarto a sonhar com uma vida mais integrada (apesar da penca e de manifestamente ser de outro planeta), em trip adolescente. Olhando bem para trás, e sobretudo depois de começar a fazer rádio, era de supor que o Markl ia ser o acabado cromo, a fazer render o facto de ser o acabado cromo. Não no sentido de ser mais um cromo da caderneta. No sentido da estranheza, da singularidade, do “que grande maluco me saíste” ou do “tudo acontece a este gajo”. (...)

 

 

 

Leia a entrevista completa em Público.Ipsilon.cultura.06.07.14

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

publicado por Editora Objectiva às 09:53 | link do post | comentar