"Para onde vão os guarda-chuvas", de Afonso Cruz, no Blogue Rua de baixo

Era uma vez o equilíbrio notavelmente/absolutamente/

absurdamente/infinitivamente/moralmente/

esteticamente desequilibrado





Num ano em que editou os infanto-juvenis “O livro do ano” e “Assim, mas sem ser assim”, o exercício teatral de “O cultivo das flores de plástico” bem como mais um tomo da “Enciclopédia da estória universal”, o multidisciplinar Afonso Cruz consegue, finalmente, lançar “Para onde vão os guarda-chuvas” (Alfaguara, 2013), um projeto no qual trabalhava há três anos e que vinha sendo adiado devido à sua complexidade e a outros compromissos que iam surgindo no seu empolgante percurso.

 

Leia o texto no blogue Rua de Baixo.28.11.13

publicado por Editora Objectiva às 09:12 | link do post | comentar